iPad, você realmente quer um?

Ontem pude passar umas boas horas funçando no iPad 3G do meu amigo, que comprou mais barato de uma amiga que tem uma irmã que mora nos EUA (entendeu?), e lá, pra variar, esses gadgets da Apple são bem mais em conta! Fiquei a principio pensando na utilidade daquele negócio que parece uma monitor LCD extra fino que pesa cerca de 700 gramas (sim ele é pesadinho), e como aquilo realmente pode estar “revolucionando” o mundo da informação como gritam aos quatro cantos os geeks mais famosos, ou os profetas da geração Y… Para mim, é uma versão do Iphone só que desajeitadamente grande, pesada e… bonita para variar!

Depois de mexer por algumas horas, navegar na internet, ver e-mails e ver alguns aplicativos interessantes (que já conhecia do Iphone) comecei a ver algum sentido na histeria e de quem poderia ser a culpa. Primeiro analisando os desenvolvedores, que se concentram em fazer aplicativos baratos, de 99 centavos de dólar, para esse dispositivo. Isso muda a cara da computação. Você vai ouvir mais e mais sobre essa tendência nos próximos meses. Digo isso porque no passado era possível começar uma empresa com base num pacote de software e fazê-la crescer até uma megacorporação. Hoje, por vários motivos, isso é quase impossível. Não há chances para peixes miúdos. O melhor que essas empresas podem esperar é entrar na lista de compras das grandes: Google, Microsoft, Yahoo!.

Há uma enxurrada de programadores que não conseguem mais encontrar emprego. Muitos deles então criam aplicativos para iPhone, iPad, Android e outras plataformas móveis. Isso é depois encorajado pelo fato de que eles são remunerados diretamente pelo sucesso. Muitos deles já ganharam milhões de dólares com produtos sem relevância nenhuma (veja o caso do aplicativo para Iphone que simula uma vuvuzela). Tudo isso só faz encorajar a ampla promiscuidade de aplicativos, o iPad, pelo jeito, vai no mesmo caminho. Suspeito que, em alguns anos, o mercado de software para tablets e smartphones vai reduzir o espaço de programas para micros de mesa e esse sucesso vai atrair mais desenvolvedores, até o ponto em que as máquinas de mesa caiam numa espécie de limbo, no qual não surgirão mais aplicativos novos ou interessantes. A ironia é que os superchips multinúcleos da Intel e da AMD vão continuar a evoluir, mas o software para eles, não.

Uau! Não sou um profeta cibergeek por favor! Tudo isso é só mais uma tentativa de entender o mundo maluco de evoluções high-tech. Mas não é a toa que gente como Christina Aguilera, Justin Bieber e outros são vistos sempre com seus iPad´s debaixo do braço, na verdade ser fotografado com um é algo que traz um certo glamour e até um certo ar de intelectualidade… Você não acredita nisso? Quem imaginaria que o iPad seria usando por exemplo por pintores para produzir suas obras-primas? (leia mais…). Ou ainda, que padres celebrem a missa usando um iPad? (leia mais…), ou que mediuns analfabetos usem para psicografar? (essa é boa… estou rindo até agora)!!! Até a policia pode ser beneficiada com o iPad, como por exemplo no caso de dois bandidos que foram presos após usar um site para tentar trocar um iPod e maconha por iPad (leia isso…). Modismos a parte, até a moda é influenciada pelo iPad, já que existem roupas da moda para quem tem um iPad (leia isso…).

Bem, minhas impressões do iPad é de que ele é sim no minimo interessante, e inicia um momento novo na tentativa desta geração de aposentar velhos conceitos de informação, entretenimento e relacionamento. Fico pensando que num futuro muito próximo nossos filhos não vão querer usar os tradicionais cadernos na escola, e que talvez mesmo o notebook seja muito arcaico, agora usar um iPad como material escolar é interessante (seria uma junção de caderno, livros didáticos, agenda e ainda poderia até ser usado na aula de artes…).

Agora “Nem tudo são flores, mas nem tudo também são ervas daninhas”, e é claro que olhando de forma mais critica penso que o iPad é apenas uma tecnologia intermediária, na verdade um gadget que tem tudo o que outros gadgets já tem há muito tempo (exceto a duração da bateria em uso intenso, 10 horas é algo extraordinário), se tenho um Iphone, seria desperdício comprar um iPad, já que o Iphone tem entre suas vantagens o fato de ser um bom celular, apesar de isso não ser tão importante hoje em dia não é?

Talvez se o iPad fosse uma especie de tablet com o macOS seria mais interessante, mas como usariamos os programas em uma tela touch? Nossos dedos seriam um incomodo nos programas recheados de menus e botões  do MacOS da Apple… Talvez se ele não fosse nas proporções 4:3 seria um bom player de vídeos em HD, ou ainda se sua tela não fosse de LED, reflexiva, porque isso faz da leitura uma experiência cansativa logo após alguns minutos. Já o Kindle e seus aparelhos-irmãos utilizam a tecnologia e-ink, que faz a experiência ser bem agradável como a leitura em papel.

E se pudessemos realmente digitar textos no iPad podendo ter uma experiência melhor? (por isso a venda dos teclados por bluetooth da Apple fazem sucesso, mas isso não é contraditório?). Na verdade, seria legal se o iPad tivesse algo realmente diferente, novo… Confesso que fiquei frustado após algumas horas de uso, depois da euforia inicial, e pensando bem, meu conselho é que em se tratando de tecnologia o melhor não é andar na crista da onda, porque esse é o primeiro que o tubarão pega!

Mas ao senhor Jobs, reconheço que se não fosse a Apple pouco teriamos para falar sobre inovações. Não sou applemaniaco (pelo contrário), mas é evidente que no futuro teremos gadgets realmente empolgantes, e tenha certeza, um deles terá a marca da maça!!!

Você pode gostar...

5 Resultados

  1. Gerson disse:

    Até agora não vi uma real utilidade para o iPad. Tudo que eu preciso meu notebook faz, e, se preciso de mais praticidade uso o celular. Não vejo necessidade em um meio termo..

  2. Uimer disse:

    Qndo tive meu primeiro contato com o iPad, pensei… poxa, parece meu iPhone mas algumas polegadas maior.
    Logo notei q assim como o iPhone, a gama de aplicações pode ser muito extensa e as possibilidades infinitas.
    Bom, quanto custa um iPad? Nem todos tem acesso a isso. Talvez ele seja um pioneiro de um revolucionário produto, mas aprendi com o tempo que se vc quizer sucesso tem que atingir as massas e infelizmente os produtos da Apple escolhem seus clientes.
    Queria ter um? Não. Definitivamente.

  3. Rodrigo disse:

    É Lukas, estou achando que terei mesmo que comprar (ou emprestar) um iPad pra poder escrever mais sobre… Confesso que o eu escrevi foi minha impressões de quem emprestou “o brinquedo” por apenas algumas horas, e achei que tinha visto praticamente tudo…

    Achei interessante a idéia do Flipboard, inclusive na INFO deste mes a jornalista Sandra falou um pouco sobre ele, voce leu? Legal e obrigado pelo comentário!

  4. Lukas disse:

    Comprei o ipad e dai pesquisando sobre ele cai nesse artigo, eu tenho a dizer que o ipad é massa pra caramba, e discordo de que ele não seja inovador, por exemplo, eu to usando um programa chamado flipboard: http://www.flipboard.com/

    É genial, e tem outras coisas que também fazem do ipad algo diferente! Te mandei mais links no seu e-mail (fale conosco) pra voce ver outros aplicativos legais, mas pra poder escrever sobre eles voce vai ter que comprar um ipad

  5. Christian disse:

    Ainda não pude realmente mexer no ipad, mas já pude conhecê-lo graças ao Paraguai quando ainda era recém lançado no EUA. Eu acho que ele terá sim muita utilidade, tudo vai depender do tipo de usuário que vai comprá-lo

    Acho que para pessoas que navegam na net, leem emails, que precisam de uma agenda completa e de vez em quando querem algum entretenimento ele será uma boa pedida, eu vejo o ipad como um bom equipamento profissional

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *