O legado de Steve Jobs permanece, veja 20 lições que podemos aprender com ele

Steve_Jobs_Headshot_2010-CROP“As pessoas não sabem o que querem, até mostrarmos a ela.”, frases como este marcaram este gênio! Frases como “Você pode encarar um erro como uma besteira a ser esquecida, ou como um resultado que aponta uma nova direção” mostram bem a personalidade de Steven Paul Jobs, nascido em São Francisco – Califórnia, no dia 24 de fevereiro de 1955. Apesar de sua morte em 2011, suas ideias e forma de conduzir seus negócios e invenções ainda rendem livros aos montes.

No ano passado consegui ler o livro “A Cabeça de Steve Jobs”, uma biografia escrita pelo jornalista Leander Kahney, que ao mesmo tempo, é um guia sobre liderança. Juro para você que a mente de Steve Jobs era para mim uma incógnita intrigante, e este livro não apenas me ajudou a entender algumas coisas sobre ele, como também me ajudou como empresário e empreendedor!

Jobs era um indivíduo vaidoso, perfeccionista e de difícil relacionamento, mas era um gênio, até mesmo na definição de seus concorrentes mais implacáveis. Jobs não apenas transformou uma empresa de garagem na Apple, como também por exemplo em 1995 transformou seu pequeno estúdio de animação na premiada Pixar, que dentre outros produziu filmes como Toy Story, Vida de Inseto, Monstros S.A. e Procurando Nemo.

A Apple nas mãos de Jobs, principalmente na segunda fase de sua gestão, deu um salto incrível. Quando reassumiu como presidente em 1997, as ações da companhia saltaram de 5 para mais de 370 dólares, e o valor de mercado alcançou a cifra impressionante de 350 bilhões de dólares.

Neste artigo de hoje, fugindo um pouquinho da área de T.I e caindo no tema liderança, escolhi um indivíduo como Steve Jobs, por entender que ele tem muito a ensinar, até mesmo com os seus erros. Por isso aqui estão 20 itens principais descritos no livro de Kahney para refletirmos e aprendermos um pouco com ele, alguns são polêmicos, como o item 5, mas se tratando de Jobs…

1 – Encare as decisões difíceis e não se deixe levar pela emoção. Avalie o problema de forma objetiva, mas jamais tenha medo de errar.

2 – Busque informações e fuja das suposições. Faça sempre uma avaliação completa e baseie suas decisões nesses dados. É duro, mas justo.

3 – Trabalhe em equipe. Evite colocar toda a carga das decisões difíceis sobre as suas costas.

4 – Foco, foco, foco. Focar é o mesmo que dizer não. A Apple sempre concentrou seus recursos em um pequeno número de projetos, mas muito bem executados.

5 – Seja quase um déspota. Afinal, alguém tem que dar as ordens.

6 – Gere alternativas para escolher a melhor. Jobs sempre insistiu com a equipe para ter opções e as descartava sem muita discussão.

7 – Simplifique. Fuja do complexo e diga não ao supérfluo.

8 – Crie os projetos pixel a pixel. Desça até os mínimos detalhes. Jobs se prendia a miudezas tidas como insignificantes por muitos CEOs.

9 – Não tenha medo de recomeçar. Valeu a pena refazer o MacOS X, mesmo à custa do trabalho de mil programadores por três anos.

10 – Não dê muito ouvidos a seus compradores. Eles provavelmente ainda não sabem o que querem.

11 – Demita os idiotas. Funcionários talentosos são uma vantagem competitiva para qualquer empresa.

12 – Se perder o barco, trabalhe para recuperar o tempo perdido. Jobs não percebeu a revolução da música digital no seu início. Mas criou um modelo de negócios vencedor chamado iTunes.

13 – Conecte-se, estude. Uma cultura corporativa é feita de insights. Conecte-se a diferentes tribos e estude temas desvinculados ao trabalho.

14 – Gere e Teste. As interfaces revolucionárias do iPod e do iPhone foram descobertas por tentativa e erro.

15 – Seduza. Jobs sabia ser um grande sedutor quando necessário no mundo dos negócios.

16 – Faça as perguntas certas. Mas duvide sempre das respostas.

17 – Defina prazo e cobre. Jobs queria o iPod nas lojas no outono de 2001. A equipe teve seis meses para lançá-lo.

18 – Busque oportunidades. A Apple não estava no negócio de dispositivos eletrônicos. Curioso, Jobs queria entender esse mercado. E o dominou.

19 – Queime os navios. Jobs matou o mais popular iPod para dar lugar a um modelo mais fino.

20 – Evite as concessões. A obsessão de Jobs por excelência criou um singular processo de criação que gerou uma família de produtos inovadores.

Assista o vídeo abaixo com uma palestra de Steve Jobs em uma formatura da Universidade de Stanford, vale a pena. Até a próxima!

Você pode gostar...

2 Resultados

  1. Rodrigo disse:

    Claro Elvis… por isso entendo que podemos aprender até mesmo com os erros dele, afinal ele foi vidraça né?

  2. Elvis disse:

    Boa tarde, Rodrigo!

    Vou partir da premissa de que tu és cristão, o.k.?

    Muito bem. Li o “post” acima e mais: a biografia de Steve Jobs, aquela maçaroca com mais de 800 páginas.

    Na leitura, queria aprender alguma coisa. Imaginava conhecer um sujeito genial e com lições aproveitáveis.

    Não foi assim.

    Terminada a leitura, senti-me frustrado. Pior, o final triste e dolorido (também doloroso) do protagonista revelou-me duas coisas:

    1. Sucesso tem preço. Se for amargo, não vale a pena.

    2. Steve Jobs NÃO é um exemplo.

    Steve Jobs, reitero, não é um exemplo para cristãos. Conforme percebi, quem ele amava (e eram poucos), amava. Quem ele não amava, não existia.

    Se isso for uma lição para cristãos, então estou com uma visão bem idiota da realidade.

    Claro, tu podes discordar, afinal, a democracia prevê pluralidade de opiniões.

    É isto.

    Cordialmente,

    Elvis
    (Salvador/BA – 8 MAR 2014 – 15:54).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *