Os melhores (e também piores) antivírus do mercado

Confesso, já instalei de tudo! E você, quantos antivírus já instalou em seu “guerreiro” computador?

Ao me redor estou vendo as pessoas num entusiasmo sem medida com a tecnologia! Todo mundo no Facebook, WhatsApp (que agora faz ligações assim como o Facebook e Skype), Youtube, Instagram, e consumindo terabytes de informação.

Mas também, todos os dias, sem excessão, surgem novos trojans, spywares, malwares, worms, hijackers, keyloggers, rootkits, ransomwares etc, e até mesmo novos “modelos” de pragas, dos mais variados tipos. São pragas que causam uma série de problemas ao seu computador, e que por vezes, mesmo com um antivírus, ainda podemos ser infectados! Com um bom antivírus já é difícil estar protegido, agora imagine sem?

Mas você pode me perguntar: Beleza Rodrigo, qual antivírus devo usar? Antes, entenda que existem dezenas de opções, alguns gratuitos, outros muito bem pagos, e pode ser difícil escolher um! (Não estou fugindo da resposta, calma…)

Periodicamente, institutos independentes de segurança da informação testam a eficácia dos principais antivírus do mercado. Dois destes bons institutos, o AV-Comparatives e o AV-TEST, liberaram nos últimos dias os resultados dos testes realizados com malwares descobertos entre janeiro e abril deste ano.

Como é feito o teste da AV-Comparatives? Em seu site, eles informam que esse tipo de teste é uma análise de atuação no mundo real, e serve para conferir como os antivírus se comportam. Os programas são rodados separadamente em diferentes máquinas. Todos são devidamente atualizados e ficam rodando em segundo plano.

Na sequencia do teste, diversos links “perigosos” (alguns são ameaças reais, outros são falsos-positivo) são acessadas para conferir quais aplicativos são capazes de detectar as pragas e bloqueá-las adequadamente. As URLs do tipo “falso-positivo” são inseridas propositalmente nos testes, para garantir que os programas são capazes de diferenciar sites perigosos de outros que apenas aparentam ter conteúdo danoso.

O AV-Comparatives testou 22 antivírus em uma máquina com Windows 7 de 64 bits e softwares totalmente atualizados, com todas as correções de segurança aplicadas. Para simular infecções do mundo real, os resultados são baseados em 410 testes, que contêm páginas com exploits funcionais e links apontando para malwares.

Nos testes, os dois únicos antivírus que bloquearam 100% das ameaças, segundo a AV-Comparatives, foram o Avira Antivirus Pro e o Kaspersky Internet Security. Os dois líderes do ano passado bateram na trave: Bitdefender Internet Security e Panda Free Antivirus conseguiram 99,8% de detecção, sendo que este último perdeu pontos por apontar uma ameaça que não existia.

Vamos aos resultados:

av-comparatives-abr-2015-700x609_1

Não me surpreende que dentre todos, o pior foi a proteção nativa do Windows, que bloqueou apenas 84,6% das ameaças, normal né? Não é a “praia” da Microsoft.

Já o instituto AV-TEST liberou resultados atualizados em março. O método é um pouco diferente: 27 antivírus foram testados em uma máquina com o recente Windows 8.1 de 64 bits. Além de avaliar a proteção contra malwares, o instituto verifica o impacto do antivírus no desempenho do computador e dá notas individuais para o quesito usabilidade: quanto maior for o número de interrupções por falsos positivos, menor a nota.

Os resultados:

av-test-mar-2015-def-700x918

Algumas diferenças no resultado, mas na média, é possível ver quais são os melhores (inclusive os gratuitos).

Amigos, por fim quero deixar algumas dicas práticas de especialistas:

1 – Aplique as atualizações do sistema operacional e sempre use versões mais recentes dos programas instalados nele;

2 – Tome cuidado com anexos e link em e-mails, mesmo quando a mensagem vier de pessoas conhecidas;

3 – O mesmo cuidado deve ser dado a redes sociais (Facebook, Twitter, etc) e serviços de mensagens e comunicação como Skype e principalmente Whatsapp;

4 – Antes de baixar programas desconhecidos, busque mais informações sobre ele em mecanismos de buscas ou em sites especializados em downloads;

5 – Tome cuidado com os sites que visita. É muito comum, por exemplo, a propagação de malwares em páginas de conteúdo adulto;

6 – Faça uma varredura com o antivírus periodicamente no computador todo. Também utilize o programa para verificar arquivos baixados pela internet;

7 – Vírus também podem ser espalhar por cartões SD, pendrives e aparelhos semelhantes, portanto, sempre verifique o conteúdo dos dispositivos removíveis e, se possível, não utilize-os em computadores públicos (faculdade, escola, lan house, etc).

Se cuidem, e até a próxima

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *