Quer comprar o novo iPhone 6? Bom, leia este artigo antes

lead-iphone6plusEu li, vi e ouvi muita coisa sobre o novo iPhone 6 neste últimos dias, então, como tive a chance de testa-lo, vou te passar as minhas impressões

Não ia escrever sobre o assunto, mas como para variar, a venda do iPhone 6 no Brasil deve demorar um pouco, já que o processo de aprovação da ANATEL por vezes é demorada (segundo eles, é criteriosa), e também porque a própria Apple precisa atender públicos fanáticos pelo mundo afora, antes dos “Apple fans” tupiniquins, decidi falar sobre o assunto.

Até porque eu tive uma chance única: Estive nos EUA na semana de lançamento, e vi, e pude testar por horas um iPhone 6 e também o modelo Plus, e quero compartilhar com vocês as minhas impressões também, já que todo mundo já deu seus pitacos, e alguns por sinal, absurdos!

Antes de mais nada, preciso dizer que me impressionou o que eu vi num shopping americano. Pessoas desesperadas para comprar o aparelho no dia do lançamento! Lágrimas (acredite) rolando no rosto dos que conseguiam entrar na loja depois de DORMIREM na fila, e em menos de uma tarde, os modelos Plus simplesmente acabaram, gerando revolta e comoção!

Pois bem… Depois de passar 4 dias desse tumulto, pude finalmente conhecer o tal falado “novo” design (que sim, é parecido com o Samsung Galaxy, não tem como negar!) e não há dúvida que o design ainda é o forte da Apple. Apesar da tela aumentar em mais 0,7 polegada em relação ao seu antecessor, o iPhone 6 não é difícil de mexer ou de segurar, e tudo tudo está perfeitamente ao alcance dos dedos. O interessante é que o iPhone 6 é ainda mais fino e leve, com 129 gramas.

Algumas coisas melhoraram, como as mudanças dos botões, que ficaram todos nas laterais, onde podem ser alcançados mais facilmente. Agora, as teclas de volume são mais longas, e o alto falante, a entrada “Lightning” e conector de fones de ouvido foram todos deslocados para a parte inferior, uma distribuição melhor eu diria. O volume e a qualidade do som dos alto falantes do equipamento continua pífio, mas alguem vai dizer: Compre uma caixa de som pra ele!

Outro fato que chama a atenção é que pela primeira vez na história do iPhone, ele já vem com aplicativos de peso já pré-instalados: Pages, Numbers, Keynote, iMovie, GarageBand e iTunesU. E mais, você pode apaga-los se quiser!

Finalmente a Apple deixou que o teclado possa ser personalizado (isso é histórico!). Eu pude testar isso no novo iPhone, instalei o aplicativo SwiftKey, que na versão Plus do iPhone ficou muito bom! O SwiftKey é um aplicativo inteligente que aprende com você e substitui o teclado padrão do seu dispositivo. Ele aprende seu estilo de escrever para proporcionar uma correção automática precisa e previsão inteligente de próxima palavra, reduzindo os toques e ficando mais inteligente com o tempo. Ficou com vontade? Para experimenta-lo, não precisa ter o novo iPhone, e sim, baixar a versão 8.0 do iOS e depois procura-lo na Apple Store.

Mas e a “tal” mudança tão esperada pelos fãs da Apple? O iPhone 6 tem uma tela maior e melhor que a do 5S e exibe imagens com bom brilho, variedade de cores e nitidez que empolgam na hora de assistir filmes e vídeos! Pontos pra Apple, porque até então, minha experiência com vídeos no Samsung Galaxy tinha sido incomparável, agora, eu diria que o iPhone chega ao mesmo patamar de qualidade de imagens do Samsung S5, e sua alta resolução.

Atualmente eu tenho um iPhone 4 (que esta travando uma barbaridade), e quando pude manusear, jogar e testar o novo iPhone, pude sentir a diferença do processador 64 bits A8, e dos 1 GB de memória RAM. Puxa, com essas configurações, o sistema roda perfeitamente, sem qualquer travamento, engasgos, e todos os app e jogos são abertos instantaneamente.

Uma coisa me incomodou: Não vai mais existir a versão de 32 GB (foi teoricamente substituída na mesma faixa de preço pela de 64 GB), mas a versão de 16 GB foi mantida, vai entender… Ahhh, e finalmente teremos no Brasil a versão de 128 GB!

Uma decepção ficou por conta do “calombo” da câmera. Historicamente, a Apple sempre “achatou” todos os componentes em seus aparelhos, mas desta vez, essa parte ficou sobressalente.

Sobre o iPhone 6 Plus, a impressão é de que se trata de um mini tablet (phablet). Apesar de gostar da ideia (gosto do Samsung S4 e S5), percebi que o potencial da tela grande ainda é pouco explorado pelo iOS, ficando restrito a apenas ampliar um pouco mais o conteúdo, nada exclusivo!

Fica claro que a missão do iPhone 6 Plus é conquistar ou trazer de volta usuários que se renderam às telas grandes do universo Android. Tanto é que a Apple preparou um guia de migração para usuários da plataforma Google, com dicas e apps que visam facilitar a transição (o Google já tinha feito o mesmo, inversamente é claro).

Mas alguns podem me perguntar: Rodrigo, quero trazer um dos EUA, e ai? A primeira coisa é procurar sempre os modelos desbloqueados, claro que pagando o preço cheio (full price), que custa a partir de US$ 649 (+ impostos locais). Se te mostrarem algum preço em torno de US$ 199, esqueça! Estes são apenas para os americanos, com contrato de 2 anos de fidelidade.

Outra dica é sempre comprar em uma Apple Store, onde todos os que são vendidos por preço cheio são desbloqueados de fábrica. Na hora da compra, opte por qualquer modelo da T-Mobile, AT&T ou Verizon, pois todos funcionarão no Brasil.

Mas e aquela história do 4G americano ser diferente? Fica tranquilo… Eles são compatíveis com a frequência de 2.600MHz usada pela rede 4G no Brasil, além daquela de 700MHz que ficará disponível em breve.

Agora sobre a garantia eu preciso alertá-lo! Apesar da qualidade dos equipamentos da Apple, vez em sempre alguém precisa de garantia, e no caso do iPhone temos um problema aqui no Brasil: Somente o modelo homologado pela ANATEL tem garantia em nosso país.

A cada lançamento no Brasil, a Apple manda apenas um modelo para a Anatel, e neste caso, a empresa só cobre a garantia dos modelos homologados pela nossa agência nacional. Por exemplo: Em relação ao modelo 5, o único modelo compatível com o 4G brasileiro era o modelo europeu, e foi este que a Apple mandou para homologação na ANATEL. Com isso, quem tinha aparelhos de outro modelo (americano por exemplo), não conseguiu assistência no país.

Soube em fóruns, que alguns poucos usuários ganharam o direito de assistência na justiça, mas foi uma minoria. A maioria dos relatos afirmam que precisaram levar o aparelho para outro país, para que ele fosse coberto pela garantia.

Quer um conselho? A Anatel ainda não homologou o iPhone 6, então, espere antes de comprar nos EUA. Bom mesmo seria comprar no Brasil, mas eu já até imagino quais serão os preços, infelizmente…

É isso, vamos esperar o lançamento no Brasil. Até a próxima!

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *